Cuidados com os olhos!

Os olhos espelham o que acontece dentro de nós, inclusive em nossa fisiologia, traduzindo o equilíbrio ou o desequilíbrio do nosso organismo. Através dos exames oftalmológicos e as reclamações de um paciente, é possível que o médico consiga identificar sinais e sintomas que levam ao diagnóstico de doenças sistêmicas.

É possível, inclusive, descobrir doenças através da saúde dos olhos, sabia? A visão embaçada quando associada a outros sintomas, como aumento da sede e da fome nos faz pensar no diagnóstico de diabetes, por exemplo. Quando o paciente mantém níveis altos de glicose no sangue, esse desequilíbrio pode machucar a parede dos vasos do fundo do olho, e no exame da retina encontramos áreas de sangramento, isquemia e edema. Novamente a visão embaçada, associada a dores na nuca e tontura, ocorrem quando a pressão arterial atinge níveis muito altos, sabia? Nos olhos isto se reflete por veias mais tortuosas e artérias com brilho aumentado, além de sangramentos intrarretinianos. Em casos graves, pode correr acúmulo de líquido na região da visão central, que chamamos de estrela macular, ou até no nervo óptico, que chamamos de edema de papila. A hemorragia subconjuntival, o famoso “derrame” no olho, em alguns casos pode ser devido a um pico de pressão.

blog3_shutterstock_134971778

Por isso, o cuidado com os olhos é essencial e, além de consultar seu médico regularmente, é necessário que tenha alguns cuidados especiais com sua visão. Algumas dicas são: evite coçar os olhos, já que as mãos contêm muitas impurezas como bactérias, vírus e fungos que podem causar infecções nos olhos. Controle a glicemia: O excesso de glicose no sangue pode causar problemas não só no corpo como nos olhos também. Alteração da visão e do grau dos óculos quando a glicemia está muito alta são alguns dos sintomas. Coma mais peixe, eles são ricos em Ômega 3 e também contém vitaminas A, B, D e E, que são essenciais para saúde ocular, prevenindo doenças oculares como a degeneração macular relacionada a idade.

Pratique atividades físicas: Estar acima do peso, somado a uma má alimentação, podem causar problemas físicos que afetam os olhos, como diabetes e hipertensão. Lave bem os olhos: O acúmulo de maquiagem, poeira e poluição na base dos cílios pode levar a inflamações das pálpebras, causando irritação, olho vermelho e coceira. Pare de fumar: O consumo de cigarro está associado a alguns problemas de visão, como degeneração macular, catarata e danos ao nervo óptico. Cuidado com as lentes de contato: Lavar bem as mãos antes de colocar as lentes, higienizar com produtos específicos, controle da validade e substituição das lentes são hábitos saudáveis para evitar complicações oculares.

Lembre-se de piscar os olhos: Quando usamos muito computador ou durante uma leitura prolongada piscamos menos do que o necessário, por isso lembre de piscar mais os olhos, a fim de evitar a sensação de olho seco. Proteja-se contra o sol: Os raios ultravioletas são muito maléficos tanto para pele como para os olhos. Portanto além do protetor solar devemos proteger os olhos com óculos escuros que contenham bloqueio contra os raios UVA e UVB para evitar doenças como degeneração macular e catarata.

Siga nossas dicas, consulte seu médico regularmente e cuide-se. Sua visão é um bem precioso!

E se precisar de nós, já sabe, é só acessar: http://www.ultrafarma.com.br. 😉

Anúncios

Dicas para manter-se saudável na ceia de Natal!

As festas de fim de ano são um perigo para a alimentação saudável, né? Nessa época do ano costumamos cometer exageros à mesa, o que proporciona quilos a mais e deslizes com a saúde. Os médicos dizem que, dependendo do que é consumido, é possível ganhar mais de 2 kg na véspera de natal – sem falar nos desconfortos, como a má-digestão e os reflexos no dia seguinte. Por isso, neste natal, que tal fazer diferente e apostar numa ceia mais saudável?

Para começar, que tal substituir o salpicão de natal tradicional por saladas mais leves e nutritivas? O salpicão natalino costuma ser produzido com maionese e outros ingredientes gordurosos. Substituindo por saladas com ingredientes nutritivos, a ceia se tornará mais funcional e saudável. Tente substituir também as carnes gordurosas por frango ou peixes, as carnes brancas são mais saudáveis e contêm menos gordura.

blog2_shutterstock_337247948

Na hora de compor seu prato, escolha apenas um tipo de carboidrato. Geralmente, as opções mais saudáveis são as coloridas, por isso, que tal fazer um arroz especial, utilizando as castanhas e as frutas secas? Você também pode preparar uma farofa com legumes, fácil e rápida de fazer. Além disso, invista em nozes, castanhas, avelãs e amêndoas que são aperitivos naturais e estão sempre presentes nas mesas de natal. Eles têm propriedades que regulam os níveis de colesterol, além de selênio e antioxidantes. Porém, evite exagerar, já que esses alimentos são bem calóricos. As frutas secas também são aperitivos muito saudáveis: ricas em vitaminas, antioxidantes e outras propriedades responsáveis por melhorar o humor e diminuir a ansiedade.

Para completar sua ceia, aposte nas frutas! Elas são tradicionais nos jantares de Natal, podem ser uma sobremesa deliciosa e como já te dissemos, fazem muito para a saúde. E não esqueça de uma das dicas mais importantes: Nós sabemos que é difícil não consumir bebidas alcoólicas nas festas, mas tente evitar! O álcool contém 7kcal por grama, causa desidratação e diminui a absorção de micronutrientes (vitaminas e minerais). Por isso, tente amenizar o consumo, ainda assim, se não for possível, tentar evitar, pelo menos, os destilados e prefira os vinhos e espumantes, que são menos calóricos. A orientação dos especialistas é alternar um copo de água com um copo de bebida. Mas se você não costuma consumir bebidas alcoólicas, fica mais fácil criar e experimentar novas bebidas, como sucos, drinques sem álcool preparados com as frutas da época e águas aromatizadas, que além de hidratar, têm propriedades anti-inflamatórias e digestivas.

E aí, curtiu nossas dicas? Coloque-as em prática e sinta a diferença! 😉

Feliz Natal! ❤

Tudo sobre a dieta detox!

A dieta detox é tendência entre as famosas e promete gerar resultados e ajudar no emagrecimento. Você inclusive já pensou em fazê-la, mas não entendeu muito bem como funciona e acabou desistindo? Calma, nós vamos te explicar!

O objetivo desse plano alimentar é ajudar o organismo a se livrar de toxinas que seriam resultado do consumo excessivo de alimentos gordurosos, cheios de açúcar ou bebidas alcoólicas. Por isso, a variedade de menus da dieta detox é grande: há cardápios à base de sucos, sopas, chás e também alimentos sólidos. Todos eles têm em comum a ingestão de frutas e verduras e a eliminação de itens considerados uma ameaça à saúde, a exemplo de industrializados, frituras e conservantes.

blog1_shutterstock_318286301

Com o objetivo de livrar o corpo de toxinas, uma das principais promessas da dieta detox é o emagrecimento rápido. Entretanto, essa parece não ser a maneira mais correta e eficaz de derrubar o ponteiro da balança, já que o que se perde nos primeiros dias são apenas líquidos e, ao retomar a alimentação de costume, o peso volta. Além disso, por terem poucas calorias, as dietas detox propiciam o chamado efeito sanfona, principalmente se feitas por muito tempo e sem orientação. Por isso, o acompanhamento de um profissional é tão importante na hora de escolher a dieta ideal para o seu corpo.

Por exemplo, se você possui uma vida muito agitada, passar alguns dias consumindo somente sucos e chás não é uma boa ideia. É provável que o resultado gere consequências, como: tontura, fraqueza, mal-estar ou desmaios. Isso porque essas preparações são pobres em calorias e, portanto, não garantem o aporte de energia necessário para encarar todas as atividades do dia. Além disso, basear a dieta em sucos pode não ser uma boa escolha se o seu objetivo é afastar o diabetes. Eles apresentam menos fibras quando comparados à fruta inteira. Com isso, após o consumo, o teor de glicose no sangue se eleva rapidamente. Para controlar a situação, mais insulina é liberada. Entretanto, esses picos de glicose e insulina podem gerar uma resistência à ação do hormônio, aumentando o risco de diabetes. Assim, pessoas portadoras da doença devem evitar este tipo de dieta.

Por isso, antes de começar qualquer tipo de dieta, consulte um especialista para se certificar de que você realmente precisa adotar um regime. Além de identificar eventuais restrições, só ele poderá orientar a melhor maneira de incluir os alimentos propostos pelo modelo detox, sem prejudicar a sua saúde. E não esqueça, independentemente de qualquer dieta, pratique exercícios físicos regularmente, beba muita água e consuma, pelo menos, cinco porções diárias de frutas, verduras e legumes sempre.

Cuide da sua saúde e, se precisar de suplementos alimentares, acesse: http://bit.ly/1lt8grd.

Fonte: http://mdemulher.abril.com.br/saude/saude/dieta-detox-5-perguntas-que-voce-deve-fazer-antes-de-adota-la

O que é o zika vírus? Como identificá-lo?

A doença chegou ao Brasil e tem assustado, principalmente, as gestantes. Mas enfim, o que é o zika? Essa é uma infecção causada pelo vírus ZIKV, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, mesmo transmissor da dengue e da febre chikungunya.

O vírus ZIKV não é transmitido de pessoa para pessoa, o contágio se dá pelo mosquito que, após picar alguém contaminado, pode transportar o ZIKV durante toda a sua vida, transmitindo a doença para uma população que não possui anticorpos contra ele. O mosquito responsável pelo vírus, o Aedes aegypti mede menos de um centímetro, tem aparência inofensiva, cor café ou preta e listras brancas no corpo e nas pernas. Costuma picar nas primeiras horas da manhã e nas últimas da tarde, evitando o sol forte. No entanto, mesmo nas horas quentes ele pode atacar à sombra, dentro ou fora de casa. Há suspeitas de que alguns ataquem durante a noite. O indivíduo não percebe a picada, pois não dói e nem coça no momento. Por ser um mosquito que voa baixo (até dois metros) é comum ele picar nos joelhos, panturrilhas e pés.

blog_shutterstock_84253447

O vírus costuma provocar sintomas parecidos com os da dengue, como: febre alta, dor de cabeça e no corpo, manchas avermelhadas, dores musculares e nas articulações. Além disso, também pode causar inflamações nos pés e nas mãos, conjuntivite e edemas nos membros inferiores. Existem outros sintomas menos frequentes, como vômitos, diarreia, dor abdominal e falta de apetite. Todos eles costumam durar entre 4 e 7 dias.

Além dos problemas já citados aqui, o zika vírus também foi associado a microcefalia, uma má-formação congênita, em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada. Normalmente ela é causada por fatores como uso de drogas e radiação. Segundo o governo, na epidemia atual, os bebês nascem com perímetro cefálico menor que o normal, que habitualmente é superior a 33 cm, o que vem assustando as gestantes e deixando a população em estado de alerta.

Para prevenir a presença do mosquito, os procedimentos são os mesmos da dengue: evite o acúmulo de água, limpe as calhas, coloque areia nos vasos de plantas, tenha cuidado com o lixo e use repelentes.

Por isso, previna-se e, se perceber algum sintoma, procure um médico. Lembre-se, sua saúde é o seu bem mais precioso! 😉

O que você precisa saber sobre infecção urinária!

A Infecção do Trato Urinário (ITU), conhecida popularmente como infecção urinária, é um quadro infeccioso que pode ocorrer em qualquer parte do sistema urinário, como rins, bexiga, uretra e ureteres. Algumas pessoas, especialmente mulheres, podem apresentar bactérias no trato urinário e não desenvolverem infecção urinária, chamadas de bacteriúria assintomática.

O problema ocorre quando uma bactéria entra no sistema urinário por meio da uretra e começa a se multiplicar na bexiga. O trato urinário costuma expelir esses organismos estranhos do corpo, mas algumas vezes essas defesas falham e a bactéria em questão passa a crescer dentro do trato urinário, dando início a uma infecção. blog_shutterstock_318991175

A doença, que possui incidência de 80% a 90% em mulheres, é mais prevalente na idade reprodutiva e nas mulheres que estão na menopausa, devido à queda do estrogênio e de micro-organismos que protegem a região íntima. Além disso, existem  alguns fatores que são considerados de risco para contrair a doença, como: ter vida sexualmente ativa facilita a infecção urinária, especialmente as vaginais; o uso de alguns tipos de contraceptivos, como espermicidas, também pode ser considerado um fator de risco; apresentar algum tipo de bloqueio no trato urinário, como pedra nos rins e aumento da próstata, também são fatores de risco; ter o sistema imunológico suprimido impede que as defesas do corpo atuem propriamente, facilitando a entrada de bactérias que causam infecções e o uso de cateter para urinar também aumenta os riscos de infecção.

Mas como identifico que estou com a infecção? Os sintomas variam e, nem sempre aparecem, entretanto, quando surgem, os mais comuns são: vontade frequente de urinar, liberação de pouca urina, ardência forte ao urinar, dor na região do baixo ventre e possível perda de sangue junto à urina.

Algumas medidas podem prevenir infecções urinárias, sabia? São elas: beba muito líquido, especialmente água; limpe-se após urinar para evitar que bactérias se acumulem no local e entrem no trato urinário; urine após relações sexuais para esvaziar a bexiga. Beba muita água para ajudar a diluir a urina também; use absorventes externos em vez de internos, pois alguns médicos acreditam que isso aumente a probabilidade de infecções. Troque de absorvente cada vez que for ao banheiro; não use ducha nem sprays ou pó para a higiene feminina. Como regra geral, não utilize nenhum produto que contenha perfumes na área genital; evite usar calças muito apertadas; use calcinha e meia calça de algodão e troque-as, pelo menos, uma vez por dia.

Para manter-se saudável e longe da infecção, faça visitas regulares ao seu médico e, qualquer dúvida ou sintoma, procure um profissional para obter o diagnóstico e tratamento adequado.

E, se precisar de medicamentos, basta entrar em contato conosco: http://www.ultrafarma.com.br! 😉